dd



sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Montanhas Incríveis para Pedalar

Olá, pra quem conhece o blog do Pedalando sem Fronteiras, sabe que a ideia das aventuras é mesclar lugares fantásticos e desafiadores. Com esse intuito, a maioria das viagens sempre tem uma, duas ou várias subidas de tirar o fôlego, seja pela beleza ou pela dificuldade. Nesse post resolvi relembrar (somente com fotos e vídeos) algumas das subidas mais incríveis que já enfrentamos. Talvez ajude alguém a escolher o próximo roteiro de uma aventura....heehhe
Vamos lá:

Passo dello Stelvio - Bormio - Itália (Veja no Google Maps)






Angliru - Astúrias - Espanha (Veja no Google Maps)






Serra do Rio do Rastro - Santa Catarina - Brasil (Veja no Google Maps)





Passo los Libertadores - Los Andes - Chile (Veja no Google Maps)





















Passo Sella - Dolomitas - Itália (Veja no Google Maps)




Cuesta de Lipán - Jujuy - Argentina (Veja no Google Maps)




Abra del Acay - Salta - Argentina (Veja no Google Maps)




Passo Mortirolo - Itália (Veja no Google Maps)




Passos Giau (Dolomitas) e San Boldo - Itália (Veja no Google Maps) (Veja no Google Maps)




Abra de Pirhuayani - Estrada do Pacífico - Peru (Veja no Google Maps)




Serra da Graciosa - Paraná - Brasil (Veja no Google Maps)






Cuesta del Obispo - Salta - Argentina (Veja no Google Maps)




Passo Hito Cajón - Atacama - Chile/Bolívia (Veja no Google Maps)




Susten Pass - Suíça (Veja no Google Maps)






Vulcão Villarica - Pucón - Chile (Veja no Google Maps)





Passo Gavia - Ponte di Legno -Itália (Veja no Google Maps)



Puerto de Ventana - Astúrias/Castilla y Leon- Espanha (Veja no Google Maps)




Serra do Corvo Branco - Santa Catarina - Brasil (Veja no Google Maps)



Passo Garibaldi - Terra do Fogo - Argentina (Veja no Google Maps)




Alpe d'Huez - França (Veja no Google Maps)




Col du Glandon - França (Veja no Google Maps)





Carretera de la Muerte - Bolívia (Veja no Google Maps)

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Expedição Fim do Mundo - El Calafate - Ushuaia - Inverno de 2017

O projeto foi concluído com sucesso! Deixo abaixo uma playlist com dois vídeos, onde o primeiro mostra como foi a aventura e o segundo é um relato falado. Abraços e bons pedais



Como surgiu a ideia da viagem

Olá pessoal, faz um tempo que não atualizo o blog e prometo que vou relatar a viagem entre a Espanha e Portugal ainda em 2017, mas agora chegou o momento de embarcar em outra aventura: VAMOS PARA A PATAGÔNIA, YES!
Assim como nos anos anteriores, o Marco Brandão será meu companheiro de viagem e como ele já escreveu um resumo do que vamos enfrentar no extremo sul do nosso continente, deixo aqui as suas palavras:

Agora finalmente, podemos responder a pergunta habitual que todos nossos amigos do dia a dia fazem:
E então seus malucos, para onde é a próxima ? kkkkkk

O roteiro da nova empreitada surgiu por conta de um roteiro que deu muito errado devido ao preço muito alto das passagens para onde gostaríamos de ir ... Foi então que encontramos uma promoção ótima de passagens para El Calafate, e particularmente um sonho muito antigo meu desde que iniciei no Cicloturismo, USHUAIA !

Era minha melhor oportunidade para me vingar do Aramis Junior, que nas três últimas viagens, me convenceu a ir para lugares extremamente quentes, onde passou grande parte tirando sarro de como sofro com o calor de 40 graus.

Depois de acertado o novo plano e resolvido como seria o “ sofrimento “ em meio ao inverno argentino, decidimos, planejamos e estudamos o roteiro a seguir:

A partida se dará na cidade de El Calafate, que é uma pequena cidade localizada na província de Santa Cruz, na Argentina, próximo à fronteira com o Chile. É a cidade mais próxima do Parque Nacional Los Glaciares, a cerca de 80 quilômetros, onde localiza-se a maior geleira em extensão horizontal do mundo: o Glaciar Perito Moreno, que encontra-se constantemente em evolução com diminuição de sua área devido ao aquecimento global.

Na estrada, o percurso deve seguir por Tapi Aike e cruzar a fronteira com o Chile, sentido Torres del Paine. Nesse meio tempo, já sabemos que enfrentaremos o frio extremo e negativo que castiga a região nessa época do ano, assim como estradas congeladas, caminhos por ripío e fortíssimos ventos que podem chegar até a 100 km/h, tornando a pedalada inviável, todavia faz parte do desafio.

Também sabemos que teremos dias “ muito curtos “, onde a claridade da manhã somente se dá por volta das 10:00 horas e o anoitecer por volta das 17:00 horas, o que normalmente implica em mais frio. Vamos torcer para que não chova muito, já ajuda.

Todavia, também sabemos que, no caminho para Cerro Castilho teremos subidas a serem enfrentadas, e que a caminho de Vila Tehuelche e Punta Arenas, seremos brindados em meio a lugares inóspitos, por belíssimas paisagens com montanhas e pampas congelados, e exuberantes lagos e encostas.

O caminho deve seguir pelo Estreito de Magalhães ( quem fez mapa na escola ? ), San Sebastian, Rio Grande, Tolhuim, em meio a um sobe e desce, florestas, Lago Fagnano com destino sempre à Ushuaia, a cidade mais extrema do continente sul-americano, também conhecida como: Fim do Mundo, uma cidade argentina, que por sua vez é a capital da Província da Terra do Fogo. Seu nome provém do idioma indígena yagan: ushu + aia (fundo + baía = baía profunda)

Porque viajar de bicicleta ? Eu me arrisco a dizer que quem viaja de bicicleta também sofre grandes mudanças, afinal tudo está ligado a fé, determinação, persistência, penitência, abdicação e humildade.

Muita gente tem curiosidade sobre os CUSTOS de uma viagem como essa. Nesse caso, por se tratar de um país membro do Tratado do Mercosul, nosso passaporte será o documento de identidade confeccionado com menos de 10 anos ( não pode ser RG com foto de quando você tinha 11 anos de idade ... hehe ), a despesa maior fica por conta da passagem, que nesse caso troquei por milhas do cartão de crédito ;) e ainda encontrei na promoção... estando no lugar escolhido para pedalar, dispomos de barracas para dormir em Campings ou nesse caso teremos que acampar selvagem mesmo, mas na argentina pode. Compramos comida nos mercados e preparamos ( é barato ), e quando não, qualquer refeição de $10 pesos enche o bucho. Água levamos conosco na bike porque não haverá muita pelo caminho, além da hospitalidade que por muitas vezes trocamos e conseguimos com carisma, amizade e boa conversa.

Outra curiosidade a ser esclarecida: as bikes não são ultra bikes, são mountain bikes que podem custar em torno de 850,00. Já vi cicloturistas por aí viajando de Barra forte ... ;)

Sobre o idioma, é espanhol e para nosotros, é o portunhol ( hehe ) ... quando você não entender ( porque argentinos falam muito depressa ), diga: Despacito por favor ( não é a música ! ... kkkkkk ) ... o “ LL “ também vai variar, você pode perguntar uma informação e esteja preparado para ouvir todo tipo de pronuncia: ajá, achá, axá, alha, alá ... Alááá ! .... se não compreender, diga: Dale ! Gracias e tente perguntar para outra pessoa ... rs

Sobre vocês amigos e familiares que leram até aqui:

Contamos muito com a boa energia, apoio, respaldo e torcida de todos ! E desde já em AGRADECEMOS IMENSAMENTE, todo o carinho e apreço recebido ao longo desses anos de amizade, seja no dia a dia ou na internet. MUITO OBRIGADO MESMO !!!

Nos organizamos e nos esforçamos muito para mais uma vez fazer algo que gostamos demais, viajar de bicicleta por alguns dias. Interagir com o meio, somar e dividir !

Onde está seu coração, aí está o seu tesouro.

Desde já torcendo para que Deus permita que tudo corra bem.

Amém !